Rosa de deserto 

Eu vi a rosa do deserto
ainda de estrela orvalhada:
era a alvorada.
Por mais que parecesse perto,
não vinha daqueles lugares
de céus e mares.
Os aéreos muros do dia
punham diamanrtes na paisagem:
clara miragem:
E a voz dos profetas batia
contra imensas portas de vento
seu chamamento.
Reis-touros e deusas-hienas
brandiam seus perfis de outrora
à ardente aurora.
Trágicas e divinas cenas
Ali jaziam soterradas,
sem madrugadas.
Eu vi a rosa do deserto:
a exata rosa, a ígnea medida
da humana vida.
Eu vi o mundo recoberto
pela manhã de claridade
da incandescente eternidade.

Cecília Meireles

By Juli Ribeiro