You are currently browsing the category archive for the ‘Sophia de Mello Breyner Andresen’ category.

CORAL

Ia e vinha

E a cada coisa perguntava

Que nome tinha.

.

Sophia de Mello Breyner Andresen

PORQUE

Porque os outros se mascaram mas tu não
Porque os outros usam a virtude
Para comprar o que não tem perdão.
Porque os outros têm medo mas tu não.

Porque os outros são os túmulos caiados
Onde germina calada a podridão.
Porque os outros se calam mas tu não.

Porque os outros se compram e se vendem
E os seus gestos dão sempre dividendo.
Porque os outros são hábeis mas tu não.

Porque os outros vão à sombra dos abrigos
E tu vais de mãos dadas com os perigos.
Porque os outros calculam mas tu não.

Sophia de Mello Breyner Andresen

By Juli Ribeiro

Atravessei o jardim solitário e sem lua,
Correndo ao vento pelos caminhos fora,
Para tentar como outrora
Unir a minha alma à tua,
Ó grande noite solitária e sonhadora.

Entre os canteiros cercados de buxo,
Sorri à sombra tremendo de medo.
De joelhos na terra abri o repuxo,
E os meus gestos dessa encantação,
Que devia acordar do seu inquieto sono
A terra negra canteiros
E os meus sonhos sepultados
Vivos e inteiros.

Mas sob o peso dos narcisos floridos
Calou-se a terra,
E sob o peso dos frutos ressequidos
Do presente,
Calaram-se os meus sonhos perdidos.

Entre os canteiros cercados de buxo,
Enquanto subia e caía a água do repuxo,
Murmurei as palavras em que outrora
Para mim sempre existia
O gesto dum impulso.

Palavras que eu despi da sua literatura,
Para lhes dar a sua forma primitiva e pura,
De fórmulas de magia.

Docemente a sonhar entra a folhagem
A noite solitária e pura
Continuou distante e inatingível
Sem me deixar penetrar no seu segredo
E eu senti quebrar-se, cair desfeita,
A minha ânsia carregada de impossível,
Contra a sua harmonia perfeita.

Tomei nas minhas mãos a sombra escura
E embalei o silêncio nos meus ombros.
Tudo em minha volta estava vivo
Mas nada pôde acordar dos seus escombros
O meu grande êxtase perdido.

Só o vento passou e quente
E à sua volta todo o jardim cantou
E a água do tanque tremendo
Se maravilhou
Em círculos, longamente.

Sophia de Mello Breyner Andresen,
“Cem poemas de Sophia”

By Juli Ribeiro

Mar sonoro,
mar sem fundo,
mar sem fim,
A tua beleza aumenta,
quando estamos sós.
E tão fundo, intimamente,
A tua voz revela
o mais secreto
bailar dos meus sonhos
E que momentos há
em que suponho
Seres um milagre
criado só pra mim…”

Sophia Mello Breyner AndresenBy Juli Ribeiro

‘Ouve…’

Ouve:
Como tudo é tranquilo e dorme liso;
Claras as paredes, o chão brilha,
E pintados no vidro da janela
O céu, um campo verde, duas árvores.
Fecha os olhos e dorme no mais fundo
De tudo quanto nunca floresceu.

Não toques nada, não olhes, não te lembres.
Qualquer passo
Faz estalar as mobílias aquecidas
Por tantos dias de sol inúteis e compridos.

Não te lembres, nem esperes.
Não estás no interior de um fruto:
Aqui o tempo e o sol nada amadurecem.

Sophia de Mello B.Andresen
‘Coral’ 1ª ed., 1950, Livraria Simões Lopes;
2ª ed., Portugália; 3ª ed., Galeria S. Mamede,
(Selecção de Poesias)
By Juli Ribeiro

Se todo o ser ao vento abandonamos
E sem medo nem dó nos destruímos,
Se morremos em tudo o que sentimos

E podemos cantar, é porque estamos
Nus em sangue, embalando a própria dor
Em frente às madrugadas do amor.

Quando a manhã brilhar refloriremos
E a alma possuirá esse esplendor
Prometido nas formas que perdemos.

Aqui, deposta enfim a minha imagem,
Tudo o que é jogo e tudo o que é passagem.
No interior das coisas canto nua.

Aqui livre sou eu eco da lua
E dos jardins, os gestos recebidos
E o tumulto dos gestos pressentidos
Aqui sou eu em tudo quanto amei.

Não pelo meu ser que só atravessei,
Não pelo meu rumor que só perdi,
Não pelos incertos atos que vivi,

Mas por tudo de quanto ressoei
E em cujo amor de amor me eternizei.

Sophia de Mello Breyner Andresen

By Juli Ribeiro

a

abril 2014
D S T Q Q S S
« jan    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  

Páginas

categorias

Blog Stats

  • 95,815 hits

Comentários

Patricia da Silva em Correndo atrás das borboletas…
eliana braga diniz c… em Metade
Thomaz Martinho da S… em Metade
cassandra em Os Estatutos do Homem (Ato Ins…
isabela em A morte é que está morta

Top Clicks

  • Nenhum
Juli Ribeiro

Juli Ribeiro

Artista Plástica- Web Designer- Computer Artist- Escritora entusiasta "Pessoas especiais são aquelas que sabem fazer de pequenos instantes, grandes momentos e de pequenos começos grandes realizações. Que fazem das decepções e derrotas ferramentas para abrirem seus caminhos. Que são solidárias e nos impulsionam a conquistar os nossos sonhos". -Juli Ribeiro- Recanto das Letras

Visualizar Perfil Completo →

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.